14/05/2018

Mães que inspiram: três mulheres que utilizaram a maternidade para empreender

Cristiane Baseio, Eva Boer e Alexandra Marangoni contam suas histórias de superação e dão dicas para as mães que desejam empreender

Informe publicitário

O Dia das Mães foi no último domingo (13), porém é necessário valorizar o trabalho delas todos os dias. É por isso que, neste mês, a Felicità está apresentando uma série de entrevistas com mães que conseguiram conciliar o trabalho pela paixão pro cozinhar e tornaram -se empreendedoras. Confira um pouco da história de cada uma:

Cristiane Baseio

Cristiane Baseio tem 41 anos e é dona da Confeitos Cris. É Mãe dos gêmeos Pedro e Ana Luíza, de seis anos, e Lucas, de três. Formada em administração, a empreendedora enfrentou dificuldades para conciliar a carreira de mãe com o desejo de trabalhar no ramo de venda de doces.

“Nem sempre soube que iria mexer com doces”, conta Cristiane. “Trabalhei por quase 20 anos numa empresa, na área de recursos humanos. Quando engravidei, planejei com meu marido de ficar apenas por um tempo sem trabalhar”, relata.  Seus planos mudaram quando seus filhos nasceram e Pedro teve paralisia cerebral.

“Não fazia ideia de que a realidade de mãe exigia tanto de nós”, conta a empreendedora. Ela, que iria ficar apenas um ano sem trabalhar, estendeu esse tempo para cuidar do melhor do Pedro. Três anos depois, acabou ficando grávida novamente. Cristiane sentia falta de trabalhar então começou a pensar em como poderia voltar ao mercado. Encontrou um banner que avisava sobre um curso profissionalizante de confeitaria, enquanto fazia compras na Felicità. Após o curso sua vida mudou. Confira mais da história:

Eva Boer 

“Meu nome é Eva Maria Boer Batista, tenho 66 anos e gosto muito de fazer salgados e bolos”. Essa é a frase que responde com prontidão a senhora que há 22 anos usa seu dom de cozinhar para fazer melhor a vida das pessoas que ama. Dona Eva, como é carinhosamente chamada, veio para Artur Nogueira há 14 anos. Sua história com salgados e doces, porém, começou há muito mais tempo.

“Fui mãe aos 19 anos. Na época morava na roça”, conta. Para dona Eva, a vida nunca foi fácil. Trabalhou na roça desde a infância e, quando aprendeu a cozinhar, fazia salgados para bares e botecos  na cidade. “Meu marido trabalhava porém ganhava pouco. O que eu fazia é que dava condições de termos uma vida tranquila”, relembra. Com quatro filhos, Eva precisava redobrar seu esforço para aguentar a carga de trabalho e ao mesmo tempo cuidar das crianças. “Em uma época acordava as 4 da manhã e ia dormir à meia noite”.

Dona Eva sempre fez salgados, porém a sua relação com bolos e doces começou com uma necessidade. “Minha filha ia fazer o aniversário de seis anos. Não tínhamos podíamos pagar uma boleira, por isso eu mesma precisei fazer o bolo”, afirma. Essa primeira experiência há 32 anos despertou sua curiosidade e Eva passou a preparar os bolos que assistia na televisão.

“Há alguns anos uma sobrinha minha me contou que uma loja de doces ao lado de casa havia aberto”, conta dona Eva. “Fui logo saber o que tinha lá”. A loja era a Felicità, que estava oferecendo um dos primeiros cursos profissionalizantes no local. “Tive interesse em participar e de lá pra cá nunca deixei de frequentar a loja, que já é minha casa”, afirma com orgulho. Hoje, Eva Boer é auxiliar da cozinha da Felicità e está presente em quase todos os cursos que a empresa oferece.

Eva é aposentada mas ainda continua fazendo os salgados. “Minha família já pediu que eu parasse mais eu não quis”, afirma. “Está no meu sangue, nunca vou sair da cozinha”, finaliza.

Alexandra Marangoni

Belle Époque Doces e Bolos. Quem gosta de doces ou é do ramo reconhece esse nome como uma das melhores docerias da região. Situada em Cosmópolis/SP, a empresa atende centenas de pessoas que querem experimentar as delícias gourmet da renomada confeiteira Alexandra Marangoni, que também é proprietária do local. Com 37 anos e mãe do Bernardo e da Maria Clara, ela conta como foi a experiência de descobrir a sua verdadeira vocação.

Formada em direito e trabalhando no ramo imobiliário, há cinco anos Alexandra Marangoni não imaginava que a maternidade iria mudar sua vida. “Em 2011 tive o meu primeiro filho, o Bernardo, e na sequência tive a Maria Clara”, conta. Por esse motivo Alexandra tirou licença maternidade e ficou quase um ano apenas cuidando dos filhos. “Minha primeira gravidez foi um pouco complicada, por isso ficar de repouso”.

“No primeiro aniversário do Bernardo tive dificuldade em encontrar alguém que poderia fazer os doces como eu sonhava para a festa de um ano dele” afirma Alexandra. Ela precisou viajar até Campinas para encontrar quem fizesse doces personalizados e isso a motivou a querer aprender a preparar essas iguarias. “Achei um curso de Cupcake e brigadeiro gourmet m Campinas. Minha intenção inicialmente era aprender pra fazer nos aniversários das crianças”, comenta.

Nos aniversários e reuniões de família os brigadeiros da Alexandra sempre eram os preferidos. “Como eles gostavam, resolvi aprender a fazer outras coisas e então fiz mais um curso”, relata. Foi assim que, segundo Alexandra, ela tomou gostou pela coisa. A empresária conta que a partir daí comprou vários livros de receita e começou a testá-las em casa. “Minha família era minha cobaia”, relembra e sorri. Mesmo fazendo os doces para pessoas próximas ela ainda insistia no gourmet, pois acredita que mesmo quando é brincadeira não se deve abrir mão da qualidade.

“Minha licença maternidade acabou e voltei a trabalhar”, afirma. Alexandra fazia os doces no fim de semana e preparava pedidos que algumas pessoas faziam.”Eu era muito feliz assim”, conta. Até que o negócio foi crescendo, a demanda aumentando e em um certo momento ela precisou fazer uma escolha difícil. “Um dia percebi que não dava tempo de conciliar o trabalho na imobiliária com a confecção de doces e o cuidado com as crianças”, conta.  Alexandra sentiu que a educação dos filhos poderia ser comprometida se ela se ausentasse mais e por isso, com a aprovação do esposo, decidiu que iria sair da imobiliária. “Eu estava com medo, mas fiz a escolha que achava que era certa, e foi”, ressalta.

Determinada a ser uma profissional, Alexandra se especializou mais ainda e separou um horário fixo do dia para trabalhar na confecção dos doces. “Quando você trabalha em casa é preciso ter organização, principalmente com os horários, para que os afazeres não te sobrecarreguem e você acabe por misturar a vida profissional com a vida pessoal”, aconselha a empresária. Foi esse fator que cooperou para que ela desse conta de cuidar dos filhos e ao mesmo tempo trabalhar.

Com os negócios expandindo e a ideia de oferecer os doces não só por encomenda houve a necessidade de mudar para outro local. “Eu e meu marido achamos um lugar perfeito no centro e decidimos que ali eu ia fundar a minha doceria”conta. Entretanto, os mateiras não mudaram apenas de local, a empresária quis ter uma estrutura original e que atendia à necessidades dela e dos clientes, por isso, derrubou a antiga casa e refez toda a estrutura do local. “Tive o cuidado e capricho de deixar tudo como eu queria, inclusive, a fachada da casa é idêntica á do cartão de visita”, salienta.

Cuidado, preparo, força de vontade e paixão pela profissão são as palavras perfeitas para descrever o segredo do sucesso da doceria de Alexandra. Hoje, a Belle Époque é reconhecida em toda a região por seus doces finos, deliciosos e de qualidade. “Acompanho cada processo da fabricação dos doces, desde a compra dos ingredientes até a preparação dos pratos onde eles serão servidos para quem vem aqui”, conta Alexandra. Entretanto o maior prazer de Alexandra ainda está em inventar os doces que sempre agradam os clientes. “As crianças vêm aqui e descrevem com detalhes como querem os doces do seu aniversário ou da sua festa. Eu adoro isso, é sempre um desafio agradar os pequeninos”.

Quanto à maternidade, Alexandra se sente realizada com os filhos e diz que, para eles, é sempre uma festa ir à doceira. “Eles são uns fofos, não dão nenhum trabalho. Sempre experimentam em primeira mão todas as minhas invenções. Hoje sou muito feliz e posso dizer que devo aos meus filhos e à maternidade o fato de eu ter encontrado a minha verdadeira vocação”, finaliza.

Fique atento e acompanhe as outras entrevistas em vídeo na página da Felicità. A empresa está localizada na Av. XV de novembro, 1280.

Texto: Noemi Almeida.
Imagens: Brunno Henrique Photographie


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.